Diocese de São João da Boa Vista     Caconde - SP

 

A PADROEIRA

 

A devoção à Nossa Senhora da Conceição

      A devoção e invocação de Maria como Virgem da Conceição, isto é, "Virgem sem pecado concebida" é muito antiga na Igreja.

A Imaculada Conceição, de Migliaccio.

       A Imaculada Conceição de Maria é um dogma da Igreja Católica Romana. Definido no século XIX, sua festa litúrgica é celebrada em 8 de Dezembro. Segundo o Dogma, a Igreja confessa e crê que a Bem Aventurada Virgem Maria foi preservada do pecado original desde o primeiro instante de sua existência.

        O bom senso dos fiéis sempre acreditou na imunidade de Maria do pecado original. Tanto no Oriente como no Ocidente, há grande devoção à Maria enquanto mãe de Jesus e "Virgem sem Pecado", notados desde os primórdios do cristianismo, quando o dogma da Imaculada Conceição já era tido para os fiéis como verdade de fé.

        Os escritos cristãos do século II testemunhavam a idéia, concebendo Maria como nova Eva, ao lado de Jesus, o novo Adão, na luta contra o mal. O Protoevangelho de Tiago, obra apócrifa antiga, narrava Maria como diferente dos outros seres humanos. No século IV, Efrém (306-373), diácono, teólogo e compositor de hinos, propunha que só Jesus Cristo e Maria de Nazaré são limpos e puros de toda a mancha do pecado.

      Já no século VIII se celebrava a festa litúrgica da Conceição de Maria aos 8 de dezembro ou nove meses antes da festa de sua natividade, comemorada no dia 8 de setembro. No século X a Grã-Bretanha celebrava a Imaculada Conceição de Maria.

        Na Itália do século XV o franciscano Bernardino de Bustis escreveu o Ofício da Imaculada Conceição, com aprovação oficial do texto pelo Papa Inocêncio XI em 1678. Foi enriquecido pelo Papa Pio IX em 31 de março de 1876, após a definição do dogma com 300 dias de indulgência cada vez que recitado.

       Aos 8 de dezembro de 1854, Pio IX, na Bula Ineffabilis Deus, fez a definição oficial do dogma da Imaculada Conceição de Maria. Assim o Papa se expressou:

     "Em honra da santa e indivisa Trindade, para decoro e ornamento da Virgem Mãe de Deus, para exaltação da fé católica, e para incremento da religião cristã, com a autoridade de Nosso Senhor Jesus Cristo, dos bem-aventurados Apóstolos Pedro e Paulo, e com a nossa, declaramos, pronunciamos e definimos a doutrina que sustenta que a beatíssima Virgem Maria, no primeiro instante de sua conceição, por singular graça e privilégio de Deus onipotente, em vista dos méritos de Jesus Cristo, Salvador do gênero humano, foi preservada imune de toda mancha de pecado original, essa doutrina foi revelada por Deus e, portanto, deve ser sólida e constantemente crida por todos os fiéis"

      Em 1858 Bernadete Soubirous, uma jovem pobre e de pouca instrução, afirmou ter visto uma aparição que se auto-denominou de "Imaculada Conceição" na localidade Lourdes, diocese de Tarbes na França. O caso foi submetido às autoridades civis locais e eclesiásticas, após o que o bispo de Tarbes deu por confirmadas as aparições como sendo da Virgem Maria. As autoridades civis francesas se viram impotentes para impedir a devoção de milhares de peregrinos na época, hoje Lourdes se transformou num lugar de peregrinação internacional de milhões de católicos devotos da Virgem Maria.

Em 6 de fevereiro de 1818, D. João VI foi aclamado Rei de Portugal, estando no Brasil; para agradecer a Nossa Senhora da Conceição, criou a Ordem Militar de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, porque é em Vila Viçosa, Portugal, o Solar da Padroeira deste país. Dom Pedro I, sucedendo ao pai, confirmou o Brasil e o Império à proteção de Nossa Senhora da Conceição, associando-lhe São Pedro de Alcântara.

Santuário de Nossa Senhora da Conceição

Padroeira de Portugal

em Vila Viçosa

Todo o Brasil, desde os primórdios da colonização, sempre pertenceu de direito a Nossa Senhora da Conceição. O Alvará Régio das Cortes Portuguesas de 25 de março de 1646, promulgado por Dom João IV, proclamou Nossa Senhora da Conceição como Padroeira e Rainha de Portugal e de todos os domínios portugueses, conferindo a ela as honras de soberana e oferecendo-lhe a coroa real. A partir de então, nas representações e retratos, os monarcas da Dinastia de Bragança não mais ostentaram a coroa, que aparece sobre uma almofada, e a cerimônia da coroação dos reis de Portugal passou a denominar-se Aclamação. Como fosse o Brasil colônia de Portugal, foi também posto sob a soberania e proteção de Nossa Senhora da Conceição; por isso muitas cidades brasileiras nasceram da invocação de Nossa Senhora da Conceição.

 

Catedral Basílica e Santuário Nacional

de Nossa Senhora da Conceição Aparecida

Rainha e Padroeira do Brasil

 

         Nossa Senhora da Conceição Aparecida é um título dedicado a Maria Santíssima, Mãe de Jesus, depois da aparição de uma pequena imagem nas águas do Rio Paraíba do Sul, na atual cidade de Aparecida. A imagem de Nossa Senhora da Conceição foi encontrada por três pescadores em outubro de 1717, por isso foi lhe atribuído o título de "Aparecida", por ter sido encontra nas águas do rio. Com o crescimento da devoção foi lhe construída uma igreja que depois tornou-se Basílica Menor. Devido aos muitos milagres acontecidos em Aparecida e grande fé do Povo de Deus, Nossa Senhora da Conceição Aparecida foi proclamada pelo Papa Pio IX "Rainha e Padroeira do Brasil". A Catedral Basílica do Santuário Nacional de Nossa Senhora da Conceição Aparecida localiza-se em Aparecida, no estado de São Paulo, e a sua festa é comemorada, anualmente, a 12 de outubro.

 

Voltar