Diocese de São João da Boa Vista  - Caconde - SP

 

 

A PADROEIRA

 

Nossa Senhora da Conceição

do Bom Sucesso de Caconde

 

Segundo o historiador, o Comendador José Umbelino, a Imagem de Nossa Senhora da Conceição, Padroeira Principal de Caconde, figurou no altar da antiga Igreja Matriz junto ao Córrego do Bom Sucesso, e esteve por alguns anos no oratório particular do Padre Carlos de Mello, passando em 1824, por ocasião da Missa do Natal, a ocupar seu lugar no Altar-Mor da nova Matriz.

No relato da restauração da antiga Freguezia do Bom Sucesso, e da primeira Missa em Caconde, José Umbelino conta que no dia seguinte ao dia 24 de dezembro, uma procissão seguiu-se pelas divisas da nova Freguezia, na qual em um andor estava a imagem da Virgem da Conceição:

 

"E o préstito segue lentamente em meio de cânticos laudatórios à Virgem da Conceição, cuja imagem se vê no alto do andor carregado pelos mais poderosas da terra, e faz em fim o seu longo percurso pelas devesas empeçadas de tocos e troncos carbonizados".  - A Sentinela, "Polyanthea"m revista comemorativa do Centenário de Caconde, dezembro de 1924.

 

Mais adiante, na mesma revista “A Sentinela”, José Umbelino diz:

 

“(...) O primeiro rei da dynastia de Bragança, D. João IV, em cumprimento de um voto depoz a corôa real aos pés de Nossa Senhora da Conceição, de Viçosa, entregando1h’a para sempre como a soberana Padroeira da nação portugueza. Desde então nenhum dos monarchas dessa dynastia poz a côroa real na cabeça; e a enthronização dos reis de Portugal deixou de ter o nome de Coroação, como em outros paizes, para chamar-se acclamação. Na inauguração de cada reinado e nos retratos dos reis, a corôa real figurava ao lado descançando sobre uma almofada. (...) Por um incidente qualquer a Imagem partiu-se de cima a baixo, sendo por isso substituída por outra de tamanho natural mas que não prima pela perfeição esculptural. No dia 3 de maio de 1921, o Pe. João Miguel, fazendo um exame de vários objectos já sem uso e recolhidos a granel em um armário, encontrou as duas metades da Imagem, cuja authenticidade se evidencia pela inscripção que traz numa das faces do pedestal: 1775 D.D. A effigie mede 50 centímetros de altura; e devidamente reparada, vai ser collocada em um altar especial. ”

 

 A imagem foi então restaurada para as Comemorações do Centenário da Cidade em 1924 e exposta a veneração pública em 24 de dezembro daquele ano. Na foto publicada na revista “A Sentinela” não aparece o resplendor de prata que atualmente a imagem ostenta.

Em 8 dezembro de 1967, por ocasião da festa da Padroeira, o Padre Maximo Cid pediu aos fieis presentes um trono digno para a Imagem histórica da fundação, tendo uma família se oferecido para patrocinar, mas segundo o Livro Tombo, para que isso sucedesse devia aguardar o parecer do engenheiro da Matriz.

 

 

 

 

Contudo, a Imagem permaneceu por muitos anos na Casa Paroquial de Caconde. A Imagem percorreu as Comunidades Rurais em preparação à sua Festa até o ano de 1984, quando o Padre Ivan a substituiu por outra Imagem, a fim de preservá-la. Daí então, a Imagem passou a ser levada para a Matriz somente na ocasião de procissões e solenidades.

Desde a elevação da Matriz à Santuário em 2004, estudou-se a possibilidade de entronização da Imagem, porém era necessário que o nicho fosse adequadamente seguro para que a Imagem exposta à veneração dos fiéis não fosse violada ou até mesmo roubada.

Com o Decreto da Santa Sé Apostólica, de 12 de agosto de 2008, elevando o Santuário à dignidade de Basílica Menor, surgiu-nos então a grande oportunidade, pois que nada mais justo que seja esta “Relíquia do Povo Cacondense” retornasse ao seu Trono. O novo nicho foi artisticamente decorado e revestido por um vidro blindex, será ainda custodiado pelo já existente sistema de alarmes do Santuário e pelo serviço de Vigilância.

A Imagem de Nossa Senhora da Conceição do Bom Sucesso, é datada em seu pedestal com o ano de 1775, originalmente é revestida em policromia, que, no entanto, foi coberta pela pintura a óleo feita no ano de 1921. Com o passar dos anos, a pintura a óleo foi se deteriorando, reaparecendo deste modo a antiga policromia a ouro. A imagem tem dois minúsculos olhos de vidro, e está esculpida em madeira, em estilo barroco colonial, muito semelhante às imagens datadas do século XVIII. Representa a Conceição Imaculada de Maria, com os seus tradicionais símbolos: os anjos, a lua de prata e o mundo a seus pés.

 

 

Voltar