Diocese de São João da Boa Vista  - Caconde - SP.

QUADRO CRONOLÓGICO DOS PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS

DA CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA FREGUEZIA

DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DO BOM SUCESSO

DAS CABECEIRAS DO RIO PARDO

             CACONDE – SP

               DE 1901 A 1979.

 

* os textos em azul com grifo referem-se a links de fotografias (clique neles para visualização)

1901

 CRIAÇÃO DO ASILO “CASA DA PROVIDÊNCIA”

 A lei n.º 23, de 1 de janeiro, promulgada pelo Cap. Gustavo Ribeiro de Ávila Júnior,  criou o asilo para os desvalidos sob o nome de “Casa da Providência”.

1902

 

 

PROVISÃO DE EREÇÃO DA CAPELA DE NOSSA SENHORA APARECIDA

Em sessão de 4 de janeiro a Câmara Municipal autorizou o Intendente a despender a quantia de 4:740$000 nas obras do Teatro Guarani.

Em 15 de outubro é dada a Provisão para ereção da Capela de Nossa Senhora Aparecida, por D. Antônio Cândido de Alvarenga, a pedido do padre Manoel Bento Gonçalves.

1903

 

PE. MANOEL THEOTÔNIO DE MACEDO SAMPAIO

Em 7 de janeiro a ata da Câmara passa a registrar que as sessões se realizam no Paço Municipal.

 

Fotografia de Caconde por volta desse ano.

 

A partir de 15 de fevereiro é pároco o Pe. Manoel Theotônio de Macedo Sampaio até 9 de julho de 1908. (*)

1904
 

 A ata da Câmara, de 7 de março registra o aparecimento de uma praga, espécie de cigarra, que atacava os cafezais.

1905
 

 Iniciou suas atividades o “Cine Central” (na praça Cel. Joaquim José), a sua lotação era de 800 pessoas.

1906

 É certo que neste ano, o prédio do Teatro Guarani (que ficava no Largo do Rosário) estava já pronto.

VOLTA DO CARGO DE

 PREFEITO MUNICIPAL

DESAPARECIMENTO DO CARGO DE INTENDENTE

 

 

1907

 

ILUMINAÇÃO DA IGREJA MATRIZ

 

 

EMPRESA DE LUZ ELÉTRICA MUNICIPAL

Desapareceu nesse ano o cargo de intendente, voltando o cargo de prefeito municipal, eleito pela Câmara, em pleito indireto (ata da Câmara de 9 de dezembro).

 

A Igreja Matriz foi iluminada no dia 16 de novembro, data em que se realizou o casamento do delegado de polícia da cidade, sr. Antônio Porto de Queiroz com a srta. Maria Eugênia Fernandes, a noiva era sobrinha do Comendador Umbelino.

 

Em 17 de novembro entra em funcionamento a usina da Empresa Luz Elétrica Municipal no Ribeirão de São Miguel em terreno adquirido pela Câmara Municipal.

PARÓQUIA INCORPORADA À DIOCESE DE RIBEIRÃO PRETO

 

 

PE. ROBERTO LANDELL DE MOURA

 

BENÇÃO E INAUGURAÇÃO DA CAPELA DE NOSSA SENHORA APARECIDA PELO PADRE ROBERTO LANDELL DE MOURA

 

1908

PEDIDO A D. LEOPOLDO, BISPO, PARA NÃO REMOÇÃO DO PE. LANDELL, MUITO QUERIDO EM CACONDE

ENTREGA DE UM DOCUMENTO COM 82 ASSINATURAS AO BISPO

 

PE. GUILHERME ARNOULD

 Teria circulado antes mesmo desse ano o jornal “A Gazeta de Caconde”.

A Paróquia de Caconde passa a pertencer a novel Diocese de Ribeirão Preto, desmembrada da de São Paulo. (*)

 

É pároco a partir de 19 de julho a 14 de outubro o Pe. Roberto Landell de Moura. (*)

 

Segundo o Livro do Tombo, o doador do terreno para a construção da Capela de Nossa Senhora Aparecida, foi o Sr. Antônio Eusébio de Assis, e foi ele mesmo que a construiu com seus recursos pessoais em cumprimento a uma promessa. Dom Duarte Leopoldo concedeu em 26 de agosto a Provisão para a benção da Capela de Nossa Senhora Aparecida, por solicitação do Padre Roberto Landell de Moura. O que é feito pelo mesmo padre, a 8 de setembro desse ano. (*)

 

Era o Pe. Landell, muito querido em Caconde, em 20 de setembro autoridades locais representaram a D. Duarte, pedindo que o vigário não fosse removido para o Rio Grande do Sul. Um documento com 82 assinaturas entre as quais a do prefeito, presidente da Câmara, vereadores, juiz de Direito, comerciantes e fazendeiros e povo em geral foi entregue ao bispo.

 

A partir de 27 de outubro é pároco o Pe. Guilherme Arnould até 13 de novembro de 1910. (*)

 

 A IGREJA MATRIZ PRIMITIVA

 

1909

 

 

INSTALAÇÃO DE LINHA TELEFÔNICA ENTRE CACONDE E SÃO JOSÉ DO RIO PARDO

 

 

 

A Igreja Matriz primitiva, como vemos numa fotografia datada desse ano, tinha uma porta frontal e duas portas de cada lado, com degraus de pedra. Era coberta de telhas e possuía duas torres. Na frente dela havia um cruzeiro e junto dele um chafariz.

 

 

 Existia neste ano, ou antes, o Cinema Paulista de propriedade da Cia. Sul Mineira de Filmes. O prédio situava-se na rua Washington Luís esquina da rua Floriano Peixoto.

 

Em 2 de janeiro desse ano, foi aprovada pela Câmara a instalação de uma linha telefônica entre Caconde e São José do Rio Pardo. Os aparelhos eram a manivela, da marca Kellog.

 

Informa Benedito de Oliveira Santos que o jornal “Cidade de Caconde” apareceu em 9 de julho desse ano. Seu nome inicial era a CIDADE, era editado por Febrônio de Almeida.

1910

 

PE. JOÃO MIGUEL DE ANGELIS

A 13 de outubro toma posse da Paróquia o pároco Pe. João Miguel de Angelis.

 

Cessou suas atividades o Cine Central.

1911

 

PRIMEIRO AUTOMÓVEL A CIRCULAR EM CACONDE

Foi nesse ano que o primeiro automóvel circulou pelas ruas de Caconde, trazido de São José do Rio Pardo pelo dr. Bráulio (médico), pelo cel. José Leopoldino e pelo sr. Luís de Andrade.

AQUISIÇÃO DOS TERRENOS DO PATRIMÔNIO DA FÁBRICA DA IGREJA MATRIZ PELA CÂMARA MUNICIPAL

 

 

CHEGAM DA ESPANHA AS RELIGIOSAS DA CONGREGAÇÃO DAS FILHAS DE JESUS PARA DIRIGIREM O FUTURO COLÉGIO IMACULADA

 

 

 

1912

 

 

 

 

INICIO DA CONSTRUÇÃO DA USINA DO PARADOURO

 

CORETO NO LARGO DA MATRIZ

 

 

 

 

 

Aquisição dos terrenos do Patrimônio da Fábrica da Igreja Matriz pela Câmara Municipal a 15 de julho. A Câmara se compromete a fornecer gratuitamente água potável para a casa paroquial e energia elétrica para a mesma casa e para a Igreja Matriz, destinada à iluminação comum. Ficou isenta, a dita casa paroquial, do imposto predial presente e futuro e remida da dívida anterior. (*)

 

No dia 23 de dezembro chegam da Espanha as irmãs da Congregação das Filhas de Jesus, sendo superiora a Irmã Heloísa Andrés, vão dirigir o futuro Colégio Imaculada.

A população é estimada em 16.638 habitantes.

 

O Sr. Pedro Nicola (de Mococa), iniciou as obras da Usina Hidrelétrica “Santa Celida”, mais conhecida como Usina do Paradouro.

 

A lei n.º 191, desse ano autorizou o prefeito a despender verba para a construção do Coreto da Praça dos Guaranis (Largo da Matriz). No coreto do Largo da Matriz, a banda Santa Cecília, comandada pelo Maestro Vicente Cândido Júnior, dava suas retretas dominicais.

 

Havia nesse ano o Grupo Dramático “Filhos de Thalma”.



 

INAUGURAÇÃO DO COLÉGIO IMACULADA

 

É DIRIGIDO PELAS RELIGIOSAS DA CONGREGAÇÃO DAS FILHAS DE JESUS, PROCEDENTES DA ESPANHA

 

1913

 

UNIÃO OPERÁRIA CACONDENSE

 

 

PRIMEIRO PREFEITO MUNICIPAL

RELACIONADO POR ADRIANO CAMPANHOLE

A Casa Grande da Soledade foi adquirida pela Prefeitura, sendo prefeito o dr. Otaviano José Alves. Foi cedida por dez anos para uso e gozo do Colégio Imaculada.

 

No dia 25 de janeiro é inaugurado o “Colégio Imaculada”, sendo este instalado na Casa Grande da Soledade no Largo da Matriz. O Colégio era dirigido pela Congregação das Filhas de Jesus, procedentes da Espanha.

Foi realizada em 20 de novembro a primeira reunião preparatória para a fundação da União Operária Cacondense. Era um clube recreativo, também chamado de Clube Operário Cacondense.

Por falta de elementos, Adriano Campanhole relacionou os prefeitos municipais, começando por este ano. Era prefeito Antônio Augusto de Araújo.

 

 

FALÊNCIA DO BANCO DE CUSTEIO RURAL DE CACONDE

 

 

1914

 

 

 

TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE CACONDE A  ITAIQUARA FEITO POR AUTOMÓVEL

 

 

 

PRIMEIRO DESASTRE AUTOMOBILÍSTICO

 

 

 

 

 

 

É decretada falência do Banco de Custeio Rural de Caconde em 3 de abril. (Anos mais tarde o cofre deste Banco foi doado à Igreja Matriz e pertence à Paróquia).

 

A Agência do Correio mudou-se para um sobradinho da rua da Cadeia (Rua 24 de dezembro).

 

Em 26 de abril noticia o jornal Cidade de Caconde o aparecimento de uma revista editada pela direção e alunos do Colégio Imaculada chamada “O Colégio”.

 

Existiam nesse ano, segundo o noticiário “Cidade de Caconde” as bandas de música “Concórdia” e “Santa Cecília”. O mesmo jornal informa que a Banda Santa Cecília foi fundada por Vicente Cândido Júnior em 1877.

 

Calimério Bitencourt e Lacordaire Bitencourt adquiriram um carro em Ribeirão Preto para o transporte de passageiros de Caconde a Itaiquara, na linha férrea. O motorista era Roque Querizo. Em 26 de julho o mesmo sofreu um desastre acidentando-se sem gravidade. Foi o primeiro desastre automobilístico de Caconde.

 

Já existia nesse ano o Hotel Brasil, de que era gerente Luciano de Angelis, irmão do Pe. Angelis.

 

Passa a ser dirigido por Francisco de Paula Maia em 22 de novembro o jornal “Cidade de Caconde”.

1915

 

INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR

É reaberto o Cine Central, sob a responsabilidade da firma Fanuele, Ribeiro & Castro.

 

Ainda nesse ano o transporte de passageiros até a via férrea (Itaiquara) era feito por trolis, de propriedade de Oscar Marcos de Souza.

 

A 2 de agosto é criado por decreto e instalado a 25 do mesmo mês em seu prédio atual o Grupo Escolar.

 

Foi fechado o Colégio Imaculada. Pleiteou-se do Bispo Diocesano de Ribeirão Preto a sua reabertura, no mesmo ano.

 

O jornal Cidade de Caconde torna-se órgão oficial do Partido Republicano Paulista.

 

 

 

 

1916

 

 

 

FALECIMENTO DO CORONEL GUSTAVO RIBEIRO DE ÁVILA JÚNIOR

A 13 de janeiro o jornal Cidade de Caconde surge como “Folha Católica”, sendo ainda seu proprietário Febrônio de Almeida.

 

Em 16 de janeiro publica seu primeiro número sob a direção de Argemiro Prestes o jornal “A Comarca”.

 

Já existia nesse ano o Hotel Jardim, que foi transformado em Pensão Paulista, de propriedade de Carvalho & Cia.

 

Era ainda nesse ano o transporte de mercadorias de Caconde a Itaiquara feito com a utilização de carros de bois.

 

O Altar-Mor da Matriz em 1916.

Falece no dia 23 de abril o Coronel Gustavo Ribeiro de Ávila Júnior, às 17 horas. Foi intendente várias vezes e a ele devemos o primeiro serviço de abastecimento de água e o nivelamento do Largo da Matriz.

 

1917

 

 

REFORMA DA MATRIZ PELO PADRE ANGELIS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

INAUGURAÇÃO DA USINA HIDRELÉTRICA “SANTA CELIDA” OU “PARADOURO"

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PRIMEIRO AVIÃO A ATERRISSAR EM CACONDE

 
 

O Padre Angelis aventou a Reforma da Matriz, iniciando as obras em 1.º de fevereiro desse ano, passando as missas a serem celebradas na Igreja do Rosário.

 

Funcionava nesse ano regularmente no prédio do Teatro Guarani o cinema (Cine Guarani) e no dia 9 de julho desse ano exibiu o filme “Dioguinho”.

 

Existia nesse ano a banda de música “Conceição”.

 

O jornal Cidade de Caconde adota o subtítulo de “Folha Popular”.

 

É datada de 17 de julho a última ata da União Operária Cacondense.

 

No dia 17 de agosto foi inaugurada a Usina “Santa Celida” ou Usina do Paradouro, sendo benzida as instalações pelo Padre Angelis, sendo testemunhas o Dr. Cândido Lobo e Dr. Domingos Placo. A empresa devia fornecer iluminação gratuita à Cadeia, à Matriz e à Casa Paroquial pelo prazo de nove anos e à Matriz por trinta anos, também à sede da Prefeitura e a um hospital de caridade.

 

Falece nesse ano a 11 de setembro, o Maestro Vicente Cândido Júnior e passa a dirigir a Banda Santa Cecília o Maestro José Veríssimo de Carvalho (Juca Veríssimo).

 

No dia 21 de setembro o aviador Luís Bergmann, do Exército Nacional, aterrou em Caconde com seu pequeno avião, às 17 h 25, no Campo do União Futebol Clube. Foi o piloto recebido com grandes festividades.

1918

 

AQUISIÇÃO DO CEMITÉRIO DA FÁBRICA DA IGREJA MATRIZ PELA PREFEITURA

 

 

GEADAS E

PREJUÍZOS NA LAVOURA DE CAFÉ

 

 

 

 

 

GRIPE ESPANHOLA
 

 

A lei n.º 178 de 4 de março, autorizou o acordo com a Fábrica da Igreja Matriz para aquisição do Cemitério pertencente à mesma.

 

O jornal “A Comarca” de 22 de junho, informa terem caído novas e fortes geadas com grandes prejuízos para a lavoura de café. O mesmo jornal de 7 de julho, revela que em conseqüência das geadas a lavoura de café sofrera prejuízo de  cinqüenta por cento.

 

Em 7 de outubro o prefeito Francisco de Paula Maia cria o cargo de zelador do cemitério.

 

Em 26 de outubro, o jornal “A Comarca” informa que a Prefeitura mandara espalhar boletins recomendando ao povo para ter precauções a fim de evitar a gripe espanhola. No dia 28 de outubro o Dr. Cândido Lobo notifica um caso de gripe na cidade e outro em 1 de novembro do mesmo ano. Em 5 de dezembro informava-se que o mal estava erradicado na cidade.

 

 

 

 

 

1919

 

 

 

 

 

 

AS OBRAS DE REFORMA DA MATRIZ

 Em 23 de maio, foi inaugurado o Cine Variedades ou o novo Cine Guarani no prédio que hoje é a Escola Catequética Imaculada Conceição, era de propriedade do sr. Pedro Tortoreli. Ali, funcionava cinema, clube recreativo, sala de bilhares e “buffets”.

 

A Pensão Paulista passa a se chamar Hotel Paulista, sob a direção de Jacinto Marino. Posteriormente se denominou Rotisserie Paulista, sob a direção de Misael Batista de Carvalho.

 

Também existiu por essa época o Hotel Borges, na Praça dos Aimorés, era dirigido por José Francisco Borges.

 

Foi criado nesse ano o Grupo Dramático “Ordem e Progresso”.

 

Em 12 de dezembro, o jornal “A Comarca” informava que prosseguiam as obras de reforma da Matriz, e que os serviços de reforma externa haviam sido contratados com o sr. Jorge Otto Mathes, pela quantia de 8:000$000.

1920

 

REFORMA DAS TORRES DA MATRIZ

 

 

 

LEI DE DESAPROPRIAÇÃO DA CAPELA DO ROSÁRIO

 

 

 

 

 

 

Estavam terminados os trabalhos de reforma da Matriz. Tem inicio a reforma das duas torres, com planta do engenheiro José Maria de Lacerda. O projeto inicial deve ter sido modificado, pois em 1 de janeiro de 1921 foi lançada a pedra fundamental da nova torre. As duas torres foram modificadas para cederem lugar a uma só torre, na parte central, tendo ficado pronta provavelmente em 1924, para as comemorações do I Centenário da Cidade.

 

A lei n.º 200 autorizou o prefeito a desapropriar a Igreja do Rosário, para a amplificação do Largo do Rosário.

 

 

A população é estimada em 17.045 habitantes. Barrânia que nessa época pertencia a Cabo Verde estimava em 2.419 habitantes.

 

Apareciam nesse ano notícias sobre o clube de futebol Esporte Clube Cacondense.

 

Foi criado o Grupo Dramático “Capitão Vargas” que era dirigido pelo capitão Hortêncio Vargas, advogado.

O PADRE ANGELIS FUNDA A ESCOLA PROFISSIONAL “COMENDADOR UMBELINO”

 

 

 

1921

 

 

 

A IMAGEM DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DE 1775

 

 

 

 

O padre João Miguel de Angelis funda a Escola Profissional "Comendador Umbelino", que começou a funcionar na forma da lei em 15 de abril, num prédio assobrado na Rua dos Tamoios (atual 24 de Dezembro).

 

Deve ter aparecido nesse ano um jornal de caráter humorístico sob a direção de P. de Almeida e B. de Almeida chamado “O Martelo”.

 

Funcionava na cidade nesse ano a Biblioteca “Aurora Cacondense”, de propriedade da Maçonaria do mesmo nome.

 

 

A antiga Imagem de Nossa Senhora da Conceição, que figurava no altar da primitiva Matriz do Bom Sucesso desapareceu em princípios do século XIX. Esteve por alguns anos no oratório particular do Pe. Carlos de Mello até que em 1824 por ocasião da Missa do Natal passou a ocupar seu lugar no Altar-Mor da Nova Matriz. No dia 3 de maio o Pe. João Miguel fazendo um exame de vários objetos já sem uso e recolhido a granel em um armário, encontrou as duas metades da Imagem, cuja autenticidade se evidencia pela inscrição que traz numa das faces do pedestal: 1775 D.D. A efígie têm 50 centímetros de altura. Foi reparada nesse ano para as Comemorações do Centenário da Cidade em 1924. Esta imagem, se encontra nos dias atuais, na Casa Paroquial de Caconde. (Esse dados foram colhidos por nós de “A Polyanthea,” de 1924, não transcritos por Adriano Campanhole em seu segundo livro sobre Caconde). (*)

 

A 21 de junho começa a circular o jornal “A Sentinela”, dirigida pelo Comendador Umbelino.

 

Foi fundado o Grupo Dramático “XV de Novembro”.

1922

 A “Banda da Vargem” ficou sob a direção do Sr. Virgílio Guimarães.

 

A lei datada de 17 de agosto, proíbe o corso de automóvel na Praça dos Guaranis nos dias de festas, ou por qualquer motivo de aglomeração de pessoas, bem como excesso de velocidade em qualquer rua da cidade e do distrito de Tapiratiba.

 

 

 

 

 

1923

 

 

 

 

TRANSPORTE DE PASSAGEIROS PARA ITAIQUARA ATRAVÉS DE JARDINEIRAS

 

 

PRAÇA GUARANI (DA MATRIZ) PASSA A SER CHAMADA DE PRAÇA  “RUI BARBOSA”

 

 

 

MATADOURO MUNICIPAL 

Em 1.º de fevereiro o jornal “A Cidade” informava estar em funcionamento a nova canalização e que a água era abundante. Era prefeito o Dr. Cândido Lobo.

 

 Fotografia de como era o carnaval em 1923.

 

Era médico na cidade o Dr. Aníbal Granja de Carvalho, formado pela Faculdade de Medicina da Bahia, o qual ocupou os cargos de vereador e prefeito.

 

 O jornal A Cidade anuncia o aparecimento em 11 de fevereiro do jornal “O Imparcial”.

 

Em março foi inaugurado um serviço de transporte de passageiros de Caconde a Itaiquara através de “jardineira” pelo sr. Pedro Otonicar.

 

A lei n.º 7, de 17 de abril dá à Praça dos Guaranis o nome de Praça “Rui Barbosa”, em homenagem ao grande estadista brasileiro (Atual Praça Ranieri Mazzilli).

 

A 8 de outubro a lei sancionada pelo sr. Francisco de Paula Maia, autorizou a Prefeitura a adaptar para Matadouro Municipal o prédio da usina velha, situado na Chácara da Câmara e abrir a estrada que da cidade ia àquele local.

1924

 

ANO COMEMORATIVO DO PRIMEIRO CENTENÁRIO DA FUNDAÇÃO DE CACONDE DE DA SUA PRIMEIRA MISSA

 

 

PRIMEIRO TRABALHO HISTÓRICO SOBRE A FUNDAÇÃO DE CACONDE

DO COMENDADOR UMBELINO

 

 

AS RELIGIOSAS DA PIA UNIÃO DE JESUS, MARIA E JOSÉ SÃO RESPONSÁVEIS PELO COLÉGIO IMACULADA

 

 

 

 

 

 DEMOLIÇÃO DA CAPELA DO ROSÁRIO

 

 

 

 

 

 

 

 

PRIMEIRA CARTA DE MOTORISTA

 

 

 

INAUGURAÇÃO DO OBELISCO CENTENÁRIO

 

 

 

 

INAUGURAÇÃO DA ESTAÇÃO TELEGRÁFICA

Ano comemorativo do I Centenário da Fundação de Caconde e da sua primeira missa - 24/12/1824 - 24/12/1924.

 

Era redator nesse ano, do jornal “A Sentinela”, o padre João Miguel de Angelis e gerente Benedito de Almeida. O jornal do dia 24 de dezembro, edição comemorativa do Centenário da cidade de Caconde com título de “A Polyanthea”, foi a publicação do primeiro trabalho histórico sobre a cidade de Caconde, realizado pelo Comendador Umbelino, tendo sido impresso nas oficinas da Escola Profissional.

 

O Colégio Imaculada, que era dirigido anteriormente pelas religiosas Filhas de Jesus, estava agora sob a direção das religiosas da Pia União de Jesus, Maria e José, sendo diretora a Madre Superiora Maria Conceição Pinto.

 

Fotografia da Igreja Matriz em 1924.

 

Fotografia do Altar-Mor da Matriz em 1924.

É demolida, de acordo com lei n.º 273 de 3 de maio desse ano, a Capela do Rosário (na praça Cel. Gustavo Ribeiro).

 

Era Maestro da Banda Santa Cecília nesse ano, o sr.  Mozart Cândido de Araújo.

 

Caconde possuía o número fabuloso de 60 automóveis.

 

A Sra. Pascoalina Ielo era, nesse ano, pianista e acompanhava os filmes tocando músicas nas sessões cinematográficas. 

 

A primeira Carta de Motorista, foi concedida ao sr. Agenor Ribeiro, em 12 de dezembro, pela Delegacia de Polícia de Caconde.

Em 24 de dezembro às 9h00, é inaugurado na Praça Coronel Joaquim José, o Obelisco comemorativo do I Centenário de Caconde e de sua Primeira Missa.

 

É também inaugurada nesse mesmo dia a Estação Telegráfica de Caconde. Na instalação da linha telegráfica de São José do Rio Pardo a Caconde, um dos trabalhadores (Nestor Pereira) ao atravessar o rio Pardo à nado, com um rolo de fios, enroscou-se e submergiu. Um dos colegas (Américo da Silva) tentou salva-lo, perecendo ambos. Eram naturais de Cabo Verde, MG.

 1926

 

 

ATENTADO CONTRA A CASA PAROQUIAL

 

 

 

 

DESAPARECIMENTO DOS LIVROS E SAQUE À CÂMARA MUNICIPAL

 

INFLUÊNCIA DO PE. ANGELIS

REMODELAÇÃO DO PRÉDIO DO FÓRUM (CADEIA VELHA)

Em sessão de 13 de fevereiro a Câmara resolveu "protestar contra o bárbaro atentado à Casa Paroquial e inserir em ata um voto de reprovação". (Na madrugada desse dia crivaram de balas a residência de respeitável cidadão, causando pânico na vizinhança).

Na noite de 14 para 15 de janeiro os livros da Câmara Municipal desapareceram em um saque “de mãos criminosas” feito ao prédio da Câmara Municipal. Os livros foram devolvidos pelo Comendador Umbelino a 7 de agosto do mesmo ano.

Havia em Caconde uma Sociedade Italiana, da qual era presidente nesse ano Rafael Ielo. Em 1939 teve seu nome mudado para Sociedade Operária Cacondense.

O padre João Miguel de Angelis, agindo junto aos poderes competentes e jogando com sua influência pessoal, conseguiu a remodelação do prédio do Fórum. Colaborou também para as obras da estrada que liga Caconde a Itaiquara.

1927
 

PRIMEIRO CARRO LICENCIADO NA CIDADE

 

 

PRIMEIRA BOMBA DE GASOLINA

O primeiro carro licenciado na cidade de que temos noticia foi um Oldsmobile, de cor cinza clara, motor n.º 44. 443, matricula municipal n.º P. 101, de propriedade de Antonini & Dib. A licença data de 25 de fevereiro.

 

 

 A primeira bomba de gasolina foi instalada em frente ao prédio da firma Mazzilli & Cia. na rua Washington Luís. (ata da Câmara de 4 de junho desse ano).

1928

 

DESMEMBRAMENTO DE TAPIRATIBA

 

A lei n.º 2.239, de 27 de dezembro desmembrou de Caconde o distrito de paz de Tapiratiba, dando-lhe categoria de Município.

1929

 

DEIXA A PARÓQUIA O PADRE ANGELIS

 

 

PE. SEBASTIÃO DO ESPÍRITO SANTO LESSA

 

 

 

 

FALECIMENTO DO COMENDADOR JOSÉ UMBELINO FERNANDES JÚNIOR

 

 

 

 

FECHAMENTO DO COLÉGIO IMACULADA

 

 

 

 

FUNDAÇÃO DO HOSPITAL DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA

 

Em 29 de setembro deixa a Paróquia o Padre João Miguel de Angelis.

 

Substitui o Pe. Angelis, o Pe. Sebastião do Espírito Santo Lessa em 29 de setembro até 24 de abril de 1936. (*)

 

A antiga pérgola, que vendo-se a Igreja Matriz de frente ficava do lado direito desta, aparece em fotos de festas religiosas estando presente o Pe. Sebastião Lessa. (*)

 

A 21 de outubro falece o ilustre Comendador José Umbelino Fernandes Júnior, escritor, historiador, poeta, pintor, músico, jornalista, político, escreveu para os principais jornais de São Paulo sob o pseudônimo de "Nobélium" (crônicas e artigos). Foi contra a candidatura de Floriano Peixoto.

 

O Colégio Imaculada, que até aqui vinha arrastando-se em crise é fechado, sendo o prédio da Casa Grande da Soledade devolvido à Câmara em 22 de novembro.

 

No dia 29 de agosto é finalmente fundado o Hospital da Santa Casa de Misericórdia de Caconde. O nome de “Álvaro Guião” foi dado ao hospital em homenagem ao Secretário da Saúde do Estado na época, o qual emprestou todo apoio à realização.

 

1930

Com a Revolução, as Câmaras Municipais são extintas e em seu lugar são nomeadas juntas governativas.

No dia 28 de outubro, tomou posse a Junta Governativa Provisória de Caconde.

1932

 

REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA

 

 

MEMBRO DO BATALHÃO ANHANGUERA, ACAMPA EM CACONDE O HISTORIADOR E JORNALISTA ADRIANO CAMPANHOLE

 

SÃO ROQUE É ACLAMADO PROTETOR

 

Em plena Revolução,  como membro do Batalhão Anhanguera, acampa em Caconde o jornalista e historiador (Autor de Memória da Cidade de Caconde) Adriano Campanhole. O Batalhão depois de duras refregas foi recebido em Caconde com vivas e flores, a cidade havia sido evacuada nas vésperas pelas tropas ditatoriais que não resistiram ao ímpeto de ataque coordenado.

Voluntários da Revolução Constitucionalista.

A Imagem de São Roque que ficava no interior da Igreja Matriz foi atingido por uma bala de fuzil no braço. Este fato tornou o santo querido pelo povo cacondense, sendo aclamado popularmente como "Santo Protetor da Cidade". (Este fato está relatado no livro "Caconde e a Revolução Paulista", do Professor Antonio Fernandes Gonçalves, editado em Caconde, em 1933).

 

1933

 

FALECIMENTO DO CÔNEGO JOÃO MIGUEL DE ANGELIS

 

 

LIVRO CACONDE E A REVOLUÇÃO PAULISTA

 

Falece no dia 20 de novembro às 22h20 em São Simão o Cônego João Miguel de Angelis, antigo pároco de Caconde. (*)

 

Publicação do Livro "Caconde e a Revolução Paulista", de Antonio Fernandes Gonçalves.

1934

 

SOCIEDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO

Foi fundada, em uma reunião no interior da Igreja Matriz, a Sociedade de São Vicente de Paulo. Presidiu os trabalhos o padre Gregório Argoitia, pregador. Era vigário de Caconde o padre Sebastião Lessa.

1935

Foi constituído o Conselho Municipal, constituído de sete membros.

1936

 

PE. JOÃO GONÇALVES BUENO

 

PE. ADAUTO VITALLI

 

 

 

 

 

CRIAÇÃO DO DISTRITO DE PAZ DE SANTO ANTÔNIO DA BARRA

A 22 de março é pároco o Pe. João Gonçalves Bueno. (*)

 

A 28 de abril é pároco o Pe. Adauto Vitalli até 26 de abril de 1941. (*).

 

Em 23 de maio, toma posse a nova Câmara Municipal, restabelecida depois da Revolução de 1930.

 

A lei n.º 5, de 5 de setembro criou uma escola de música gratuita.

 

A lei nº 2.694 de 3 de novembro, cria o Distrito de Paz de Santo Antônio da Barra, no município e comarca de Caconde, com o território que pelo convênio de 28 de setembro findo, passa de Minas para São Paulo, um pequeno acréscimo tomado do território de Caconde.

 

Ficam também criadas duas escolas de primeiro estágio, uma feminina e outra masculina na povoação de Santo Antônio da Barra.

1937

 

DESMEMBRAMENTO DA PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA (TAPIRATIBA)

 

É desmembrada da Paróquia de Caconde a Paróquia de Nossa Senhora Aparecida em Tapiratiba. (*)

1938

 

O DISTRITO DE PAZ DE SANTO ANTÔNIO DA BARRA PASSA A DENOMINAR-SE BARRA

 

O Distrito de Paz de Santo Antônio da Barra, passa a denominar-se Barra pelo decreto n.º 9.775 de 30 de novembro.

1939

 

INAUGURAÇÃO DAS NOVAS TORRES DA MATRIZ

 

No dia 08 de dezembro, data festiva de Nossa Senhora da Conceição, a Igreja Matriz (esta foto foi tirada por nós de um antigo jornal desse ano), aparecia novamente com duas torres, as quais foram inauguradas nesse dia. 

 

(Há um lapso na data da fotografia publicada por Adriano Campanhole, onde data a Igreja Matriz em 1930, esta data deve ser 1940, pois na foto a Matriz já aparece com as duas torres arredondas).

 

Mercado Lelis em 1939.

 

Fábrica de Manteiga de 1939.

1940

O recenseamento federal acusa para Caconde, incluindo o distrito da Barra (Barrânia) 19.460 habitantes.

 

Ainda na década de 40 realizava-se em Caconde a tradicional cavalhada no dia 20 de janeiro, dia de São Sebastião.

PE. JOSÉ TONDINI

 

1941

 

FALECIMENTO DO DR. FRANCISCO CÂNDIDO DA SILVA LOBO

A partir de 26 de abril é pároco o Pe. José Tondini até 4 de outubro de 1942. (*)

 

No dia 29 de maio, falece o Dr. Cândido Lobo,  que presidiu a Câmara Municipal, exerceu o cargo de prefeito, integrou-se no movimento revolucionário de 1932. Na sua administração foi ajardinada a Praça Rui Barbosa (Atual Ranieri Mazzilli) e iniciado e completado o serviço de abastecimento de água da serra dos Ciganos (1923).

 

 

 

 

 

1942


ESTUDO SOBRE A POTABILIDADE DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PE. LUIZ ECLI

Caconde possuía apenas um clube de atletismo: o Fênix Atlético Clube, foram seus fundadores Ari Argemiro Vargas e Pedro Biondi.

 

Eram médicos em Caconde, o Dr. Anísio Breta Soares, formado na Bahia e o Dr. Zacarias Pinheiro, formado pela Faculdade de Medicina da Universidade do Brasil.

 

O então estudante de medicina Hugo Mazzilli, realizou completo estudo sobre a potabilidade ou não da água servida à população de Caconde. Por este, se verificou que o líquido era de péssima qualidade. Importante foi esse trabalho, para o equacionamento do novo serviço de abastecimento de água, o qual foi iniciado pelo próprio pesquisador, já médico e então prefeito municipal de Caconde.

 

A cidade possuía nesse ano 20 ruas e 3 praças já ajardinadas.

 

A 04 de outubro é pároco o Pe. Luiz Ecli até 4 de novembro de 1948. (*)

FUNDAÇÃO DA CASA “IMACULADA CONCEIÇÃO”

 DAS RELIGIOSAS

 DO INSTITUTO

BEATÍSSIMA VIRGEM MARIA.

 

1943

 

FUNDAÇÃO DO LÍDER CLUBE

 

É fundada em agosto, a Casa “Imaculada Conceição” da congregação de religiosas do Instituto Beatíssima Virgem Maria (IBVM), a principio conhecidas como “Damas Inglesas”. Começaram com três irmãs atendendo no hospital da Santa Casa de Misericórdia a partir de 15 de agosto, e dedicando-se as mais necessidades paroquiais. (*)

 

A lei n.º 38 de 18 de agosto dá à rua dos Timbiras o nome de Comendador Umbelino.

 

 Foi fundado no dia 8 de dezembro, o Líder Clube (atual Associação Atlética Caconde) no Largo da Matriz.

 

Vista de Caconde em 1943.

 

1944

 

O DISTRITO DA BARRA PASSA-SE A DENOMINAR-SE BARRÂNIA

 

 Deu-se o nome de Barrânia ao Distrito da Barra pelo decreto n.º 14.334, de 30 de novembro.

 

1945

 

GINÁSIO MUNICIPAL

 

 

 

CHEGADA DOS HERÓIS

DA 2ª GUERRA

 

 

O GRUPO ESCOLAR RECEBE O NOME DE “DR. CÂNDIDO LOBO”.

 

INAUGURAÇÃO DO ASILO

 A partir de março, funcionava na Casa Grande da Soledade o Ginásio Municipal (ginásio particular) tendo sido fundado pelo Prof. Sebastião Delfino.

 

No dia 16 de agosto, acontece o retorno dos heróis da 2ª Guerra Mundial, sendo recebidos pelo povo na frente do Grupo Escolar. (*)

 

Pela lei n.º 14.989 de 3 de setembro o Grupo Escolar recebeu o nome de “Dr. Cândido Lobo”.

 

O Sr. Heitor Ribeiro, filho do Cel. Gustavo Ribeiro, providenciou com sua esposa D. Augusta Ribeiro a construção do Asilo que foi inaugurado em 7 de setembro.

 

PRIMEIRO LIVRO DE ADRIANO CAMPANHOLE INTITULADO “CACONDE”

 

 

1947

 

 

DOAÇÃO DA CASA GRANDE DA SOLEDADE EM SEU LUGAR A CONSTRUÇÃO

EDIFÍCIO RANIERI MAZZILLI

 

 

 

 

 

 


 

Edição do primeiro livro do historiador Adriano Campanhole intitulado “Caconde”.

 

O Ginásio Estadual foi criado pelo decreto n.º 16.874, de 10 de fevereiro. 

 

Foi extinto em 31 de dezembro o Ginásio Municipal.

 

Esteve até 31 de dezembro desse ano funcionando na Casa Grande da Soledade, o Ginásio Municipal. A Casa Grande da Soledade seria depois propriedade do João Batista de Lima Figueiredo (Joãozinho Gomes), que a dou à Associação dos Estudantes Cacondenses, que a fez demolir e construir o atual Edifício Ranieri Mazzilli, com verbas do governo federal.

 

O Altar-mor da Matriz em 1947.

 

Praça Cel. Joaquim José nesse ano.

1948
 

 

PE. CARLOS MAZERO JÚNIOR

 

PE. ELOY NALDA

 

FALECIMENTO DE MADRE M. EMÍLIA HERBERICH

Foi instalado e iniciou suas atividades em 1.º de março o Ginásio Estadual. 

 

Desfile de comemoração ao dia da República.

 

 

A 18 de outubro é pároco o Pe. Carlos Mazero Júnior. (*)

 

A 26 de novembro é pároco o Pe. Eloy Nalda até 24 de fevereiro de 1949. (*) 

 

Falecimento de Madre Maria Emília Herberich, IBVM, em 20 de dezembro. Foi sepultada no túmulo do Instituto, no cemitério municipal.

1949
 

PE. ANTÔNIO DE ALMEIDA

 

A 24 de fevereiro é pároco o Pe. Antônio de Almeida até 2 de julho de 1950.

PE. NIVARDO FONTENAGGI

 

 

FALECIMENTO DO VEREADOR

 FRANCISCO DE PAULA MAIA

 

1950
   

A 3 de julho é pároco o Pe. Nivardo Fontenaggi até 24 de abril de 1955. (*)

 

Falecimento de Francisco de Paula Maia a 24 de setembro, no exercício do cargo de vereador. Natural de Cabo Verde, foi prefeito nos anos de 1917, 1918, 1924 e 1933. Construiu o prédio do Matadouro e a ele se deve o atual relógio da Matriz e o término da construção do Largo da Matriz.

 

Praça Cel. Joaquim José, nesse ano.

 

A população estava assim distribuída: Caconde, 13.665; Barrânia, 2.169; no total 15.834 habitantes.

 

1951

 

FUNCIONAMENTO DO GINÁSIO ESTADUAL
   

Foi autorizado a funcionar como colégio em 1.º de março o Ginásio Estadual. As classes funcionaram inicialmente no Grupo Escolar “Dr. Cândido Lobo”.

VISITA CACONDE O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA JOÃO CAFÉ FILHO

 

1952

 

VISITA DE DOM LUÍS AMARAL MOUSINHO BISPO DIOCESANO DE RIBEIRÃO PRETO

À CÂMARA MUNICIPAL

 

 

FALECE DR. CARMO MAZZILLI

Visita Caconde, o ilustre Sr. João Café Filho, então vice-presidente da República, que se fazia acompanhar do Sr. Lucas Nogueira Garcez, governador do Estado e do deputado Ranieri Mazzilli.

 

Igreja Matriz em 1952.

Visitou a edilidade (Câmara) D. Luis Amaral Mousinho, bispo diocesano, sendo saudado pelo sr. Waldemar Carlos de Souza, 1.º secretário.

A 3 de novembro falece o Dr. Carmo Mazzilli, clinicou em Caconde durante 9 anos, instalou a Cruz Vermelha local. Incentivou o funcionamento da Santa Casa e a criação do posto de puericultura. A lei nº. 174, de 9 de dezembro de 1953, dá a rua dos Caiapós o seu nome.

O GINÁSIO ESTADUAL PASSA A SE DENOMINAR “FERNANDO MAGALHÃES”

 

 

 

 

COMISSÃO PARA A REFORMA DA IGREJA MATRIZ

 

 

 

 

 

 

 

1953

 

 

 

 

 

TESTEMUNHO DE HUGO MAZZILLI

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Ginásio Estadual, pela lei n.º 2.289 de 3 de setembro, publicada no dia seguinte, passa a denominar-se “Prof. Fernando Magalhães”.

 

 

À pedido duma comissão, presidida primeiramente pelo Padre Nivardo Fontenaggi em 1953, e depois pelo Padre Pedro Jarussi em junho de 1955, começa a reforma das duas torres que foram modificadas junto com a parte externa (1956) e interna para alcançar então, o estilo românico puro que ostenta até os dias atuais, seguindo o projeto do arquiteto Bruno Simões Magro (caricatura), que era professor aposentado da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e ex-diretor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da mesma Universidade.

            Diz no livro «Muitas Vidas», o escritor, ex-prefeito cacondense e participante da comissão de reforma, Hugo Mazzilli, que junto ao alicerce da torre esquerda, na qual se acha o relógio, foram colocados, numa caixa adequada, jornais do dia, cópia da primeira ata da reunião da Comissão de Obras, moedas e outros pequenos objetos, conforme o costume histórico da época.

            «Antes de concluída – diz Hugo Mazzilli – a importante obra da reforma da Igreja (foto dos pedreiros que trabalharam na reforma), foram estabelecidos contatos com o genial pintor Edmundo Migliaccio (na foto auto retrato, 1962), cacondense, professor aposentado do Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, e que desfrutava de prestígio invulgar por sua produção artística. Solicitamo-lhe a elaboração de três telas a óleo para a Igreja... Os trabalhos de Migliaccio, executados com inspiração divina, resultaram em três impressionantes obras de arte de rara beleza... É mister recordar-se que Migliaccio, em homenagem à sua terra natal, fez a doação da tela da Virgem Imaculada, como contribuição pessoal para as obras da Matriz».

            A obra de reforma da Matriz, foi concluída com a inauguração e Sagração feita por Dom Tomás Vaquero, Bispo de São João da Boa Vista, em 19 de março de 1975, quando a paróquia festejou o bicentenário de sua fundação. (*)

 

 

 

CAPELA DO CEMITÉRIO MUNICIPAL

 

1954

 

 

 

 

 PE. BERNARDO RIGIOLI

 

 

INAUGURAÇÃO DO PRÉDIO DOS CORREIOS E TELÉGRAFOS

 

A antiga Capela do cemitério municipal fora derrubada por indivíduos que prometeram reconstruí-la e não o fizeram. No mesmo local foi construída uma nova Capela com grande campanha de doações e o auxílio eficaz do Sr. Orlando e Sra. Cacilda Orrico. (*)

 

Estação Rodoviária construída na gestão do prefeito Hugo Mazzilli.

 

A partir de 4 de novembro é pároco o Pe. Bernardo Rigioli. (*)

 

O atual prédio dos Correios e Telégrafos foi inaugurado nesse ano. 

PE. PEDRO JARUSSI

 

VISITA DE PE. DONIZETE TAVARES DE LIMA

 

DOAÇÃO DA IMAGEM DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO APARECIDA PELO CASAL MARIA DE LOURDES E ROQUE IELO

 

1955

 

 

FALECIMENTO DO CORONEL JOAQUIM JOSÉ DE OLIVEIRA MARTINS

 

 

 

 

 

A 5 de junho é pároco o Pe. Pedro Jarussi. (*)

 

 Foi provavelmente nesse ano que o Pe. Donizete Tavares de Lima (antigo pároco de Tambaú), visitou Caconde e se encontrou com o Pe. Pedro Jarussi na Casa Paroquial, e também se reuniu na Matriz com a Arquiconfraria do Imaculado Coração de Maria. (*)

 

A 2 de setembro o casal Maria de Lourdes Ferreira Ielo e Roque Ielo doam à Igreja Matriz uma imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida que fora benta pelo Padre Donizete Tavares de Lima, pároco de Tambaú. A imagem belamente esculpida em madeira traz a assinatura do artista: "Prelti". Esta imagem tornou-se a imagem oficial da Novena e Festa de Nossa Senhora Aparecida e São Roque.

 

 

Pintura da Matriz feita por Paladini, datada desse ano.

 

Em 15 de dezembro, falece em São Paulo, o Coronel Joaquim José de Oliveira Martins, natural de Caconde, político de renome, foi também o primeiro provedor da Santa Casa. Seu corpo foi exposto no Salão Nobre da Câmara Municipal e seu sepultamento foi acompanhado por toda a população local.

 

A lei n.º 266, de 21 de dezembro deu à Praça Sampaio Vidal o nome de Praça Coronel Joaquim José de Oliveira Martins.

FALECIMENTO DO ARQUITETO BRUNO SIMÕES MAGRO

 

1956

Foi construída a Maternidade do Hospital da Santa Casa de Misericórdia.

 

Falecimento do arquiteto, autor do projeto de reforma da Igreja Matriz, Bruno Simões Magro.

 

Igreja Matriz em 1956

 

Em nova fase, o jornal “Cidade de Caconde” voltou a circular em 3 de junho.

 

1958

 

VISITA DO DEPUTADO DR. RANIERI MAZZILLI

 

 

  Em 23 de março acontece a visita do Deputado Dr. Ranieri Mazzilli que se encontra com o Pe. Pedro Jarussi e participa de Missa na Igreja Matriz. (*)

 

A lei n.º 5.067, de 23 de dezembro, publicada a 27 do mesmo mês, criou a escola normal, que passou a funcionar a 20 de março de 1959.

 

 

 1959

 

FUNDAÇÃO DO LAR DO MENINO JESUS

 

 

INICIO DA CONSTRUÇÃO DA USINA HIDRELÉTRICA CACONDE

 

 

 

INAUGURAÇÃO DO CINE ALVORADA

Circulou durante esse ano o jornal “Lira”, fundado por Luís Antônio Mathias Dias, Laércio de Oliveira, Itamar Grilli, Raúl José Vilas Boas e Augusto C. Tardelli.

 

Foi fundado em 16 de janeiro de 1959 o “Lar do Menino Jesus”.

 

Em fevereiro, foi iniciada a construção da Usina Hidrelétrica Caconde, cujo primeiro nome havia sido “Graminha”, pois a obra, havia sido projetada para a localidade desse nome, acima do lugar em que se encontra atualmente.

 

No dia 7 de março foi inaugurado o Cine Alvorada no Largo da Matriz, no edifício Ranieri Mazzilli.

AUMENTO DA POPULAÇÃO EM RAZÃO DA CONSTRUÇÃO DA USINA HIDRELÉTRICA

 

 

CRIAÇÃO DA DIOCESE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA PELA

]BULA “IN SIMILITUDINEM”

DO SANTO PADRE PAPA JOÃO XXIII

 

 

 

 

 

CALÇAMENTO E REDE DE ESGOTO

 

 

 PE ANTÔNIO MUNÍCIO DE JOSÉ

 

1960

 

 

SAGRAÇÃO, POSSE E

INSTALAÇÃO DA

DIOCESE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA

 

 

 

PASSA A PERTENCER À NOVA DIOCESE A PARÓQUIA DE CACONDE

 

 

CHEGADA DA TELA

“IMACULADA CONCEIÇÃO”

OFERECIDA POR MIGLIACCIO

A população é estimada em todo o município em 18.158 habitantes. (Crescimento verificado devido à construção da Usina Hidrelétrica)

 

 

Em 16 de janeiro, a Bula “In Similitudinem” do Papa João XXIII, criava a Diocese de São João da Boa Vista, com sede na cidade de mesmo nome, desmembrada da Arquidiocese de São Sebastião Ribeirão Preto, como uma de suas Dioceses sufragâneas. (*)

 

Foi aberto em 18 de janeiro, crédito para a execução dos serviços de calçamento e rede de esgoto. Estes foram iniciados nesse ano, sendo prefeito o Sr. José Orrico.

 

A 30 de janeiro é pároco o Pe. Antônio Munício de José até março de 1963. (*)

 

Na manhã de 31 de julho, era sagrado na Catedral Metropolitana de Ribeirão Preto, o primeiro Bispo de São João da Boa Vista, Dom David Picão, por Dom Armando Lombardi, Núncio Apostólico no Brasil. Nesse mesmo dia à tarde, era instalada a novel Diocese e dava posse a seu primeiro Bispo. (*)

 

Com a criação da Diocese de São João da Boa Vista, a Paróquia Imaculada Conceição de Caconde, desmembrada agora de Ribeirão Preto, passa a pertencer a ela. (*)

 

A 4 de dezembro, chega de São Paulo, a Tela “Imaculada Conceição”, oferecida por Edmundo Migliaccio como contribuição pessoal para as obras de reforma da Matriz. (*)

 

CRIAÇÃO DO BRASÃO DE ARMAS DA CIDADE DE CACONDE

 

1961

 

 

CHEGADA DAS TELAS DE MIGLIACCIO

 

A lei n.º 555, de 28 de novembro, dispõe sobre a criação do Brasão de Armas da Cidade de Caconde. Era prefeito José Orrico.

 

Em agosto, chega a Tela “O Crucificado” do pintor cacondense, Edmundo Migliaccio, para entronização no nicho do novo Altar-Mor da Igreja Matriz. (*)

 

Chega a 12 de outubro a Tela “Coroação de Nossa Senhora”.

1962

A 8 de outubro, foi criado o Curso Primário de Aplicação.

 

Em 7 de dezembro, a Prefeitura recebeu crédito para levar energia elétrica ao local onde se ergueria o monumento ao Cristo Redentor e proporcionar iluminação ao cruzeiro

 

1963

 

PE. JOÃO HUMBERTO TINNEMANS

 

  

FALECIMENTO DO SANTO PADRE JOÃO XXIII

 

 

SAGRAÇÃO E POSSE DE DOM TOMÁS VAQUERO 2º BISPO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA

 

 

INAUGURAÇÃO DO MONUMENTO AO CRISTO REDENTOR

 

A partir de março, é pároco o Pe. João Humberto Tinnemans até 23 de abril de 1965. (*)

 

 

Falece em junho, o Santo Padre Papa João XXXIII, iniciador do Concílio Ecumênico Vaticano II. (*)

 

A 15 de agosto, era sagrado Bispo na Igreja Matriz de São José em Mogi Mirim o 2º Bispo de São João da Boa Vista, Dom Tomás Vaquero. (*)

 

Tomava posse em São João da Boa Vista o novo Bispo a 01 de setembro desse ano. (*)

 

O Monumento do Cristo Redentor , foi inaugurado com benção e missa campal no dia 31 de outubro. Era prefeito municipal o sr. José Orrico.

 

1965

 

PE. ESTANISLAU WILKOZ

 

 

INAUGURAÇÃO DO PRÉDIO DO FÓRUM

 

COMPOSIÇÃO DO HINO À CACONDE

 

A 23 de abril, é pároco o Pe. Estanislau Wilkoz até 17 de setembro de 1966.(*)

 

É inaugurado em 15 de agosto, o prédio do Fórum, na Praça Cel. Gustavo Ribeiro.

 

Maria Ruth Luz e Paulo Cerqueira Luz compõem o Hino à Caconde. (*)

 

 

 1966

 

ENTRA EM OPERAÇÃO A USINA CACONDE

 

CACONDE É CONSTITUÍDA EM ESTÂNCIA CLIMÁTICA

 

 

 

 

PE. MÁXIMO CID VAQUERO

 Entra em operação comercial a Usina Hidrelétrica Caconde, situada a 7, 1 quilômetros da cidade, na represa do Rio Pardo, com 38, 72 quilômetros de extensão.

 

O projeto de lei de transformar Caconde em Estância Climática, era do Deputado Manteli Neto, tendo sido vetado integralmente em 19 de janeiro. Iniciou-se então, grande luta pelo não acolhimento do veto, da qual participaram Benedito de Oliveira Santos e Adriano Campanhole.

 

Caconde é então, constituído em Estância Climática pela lei n.º 9.275, de 5 de abril desse ano.

 

A partir de 17 de setembro é pároco o Pe. Máximo Cid Vaquero até 7 de agosto de 1977.(*)

 1967

 

INAUGURAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO AUTOMÁTICO

 

 

 

 

VISITA PASTORAL DE DOM TOMÁS VAQUERO

É inaugurado o serviço telefônico automático, operado pela TELESP, que ainda pertencia a Telecaldas. 

 

A 2 de junho de 1967, a Câmara Municipal concede a Adriano Campanhole o Título de Cidadão Cacondense, pelos inúmeros serviços prestados à Caconde. Era presidente da Câmara, Waldemar Carlos de Souza. O titulo foi entregue em sessão solene realizada no dia 21 de setembro de 1968.

 

Em 12 de novembro Visita Pastoral de Dom Tomás Vaquero, Bispo Diocesano a Caconde. (*)

1968

 

 

 

ORDENAÇÃO DO PE. ANTÔNIO DE SOUZA PINTO

Estava em circulação em julho o jornal “O Estudante Cacondense”, órgão oficial do Colégio Estadual e Escola Normal Prof. “Fernando Magalhães”. Era seu diretor o prof. Celso Mário Murback, redator-chefe Reinaldo de Almeida e secretária Maria Krieger da Costa. 

 

Em 08 de dezembro é ordenado o Pe. Antônio de Souza Pinto, filho de Caconde. (*)

1969

 

INAUGURAÇÃO DA NOVA CASA PAROQUIAL DE CACONDE

A 25 de novembro, é inaugurada a nova Casa Paroquial, no mesmo local da antiga. (*)

 

1970

 

FALECIMENTO DO CÔNEGO MUNÍCIO

 

 

INICIO DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA NA DIOCESE DE S. JOÃO DA BOA VISTA
 

VISITA PASTORAL DE DOM TOMÁS VAQUERO

A população de Caconde é estimada em 15.248 habitantes.

 

A 21 de julho, falece o Cônego Antônio Munício de José, antigo pároco da Paróquia. (*)

 

Começam a despontar na Diocese de São João da Boa Vista as primeiras reuniões dos “Grupos do Espírito Santo”, mais tarde Grupos de Oração do Movimento Católico de Renovação Carismática (*).

 

A 4 de outubro Visita Pastoral de Dom Tomás Vaquero, Bispo Diocesano. (*)

 

1971 

 

 

ORDENAÇÃO EPISCOPAL DE DOM DIÓGENES DA SILVA MATHES

 

FALECIMENTO DE IRMÃ CORNÉLIA SCHELLER

Circulou esse ano o jornal “Mensagem”. Era seu diretor responsável o sr. Mário S. Maringoli. 

 

Coreto da Pça. Cel. Joaquim José nesse ano(*)

 

A 11 de junho é Ordenado Bispo, em Franca, Dom Diógenes da Silva Mathes, nascido em Caconde e criado em Divinolândia. (*)

 

Em 26 de julho falece em Caconde, a Irmã Cornélia Scheller, IBVM. (*)

 

1972
 

FALECIMENTO DE BENEDITO OLIVEIRA SANTOS

 SECRETÁRIO DA PREFEITURA

A 7 de março falece Benedito de Oliveira Santos, natural de Caconde, foi secretário da Câmara e secretário da Prefeitura por mais de 40 anos. Foi fundador da Sociedade Amigos da Cidade. Durante 18 anos exerceu o magistério. Foi correspondente da Folha de São Paulo, da Gazeta do Rio Pardo e de A Cidade, de Ribeirão Preto, tendo colaborado no jornal local Cidade de Caconde. Devido aos seus trabalhos assinala-se a instalação do telégrafo nacional, da estação radiotelegráfica da Rádio Patrulha, dos postos de saúde e de puericultura e da Casa da Lavoura, bem como a construção do edifício dos Correios e Telégrafos.

1973

 

VISITA PASTORAL DE DOM TOMÁS VAQUERO

A 19 de maio, Visita Pastoral de Dom Tomás Vaquero, Bispo Diocesano. (*)

 

PRAÇAS E PRÉDIOS DA CIDADE

 

 

 

 

FALECIMENTO DE PADRE PEDRO JARUSSI

 

 

1975

 

 

FALECIMENTO DO DR. PASCOAL RANIERI MAZZILLI

 

 

 

 

 

 

INÍCIO DAS COMUNIDADES NEOCATECUMENAIS EM CACONDE

 

 

INAUGURAÇÃO DA ESCOLA CATEQUÉTICA “IMACULADA CONCEIÇÃO”

 

 

 

1975

ANO SANTO


 

 

COMEMORAÇÕES DO BI - CENTENÁRIO DA FUNDAÇÃO CANÔNICA DA FREGUEZIA DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DO BOM SUCESSO DO RIO PARDO

 

 

INAUGURAÇÃO, BENÇÃO E SAGRAÇÃO DO ALTAR-MOR DA MATRIZ.

 

 

CARTA DO SANTO PADRE PAPA PAULO VI PELO BI-CENTENÁRIO DA PARÓQUIA

 

 

 

MISSA DOS SANTOS ÓLEOS NA MATRIZ

 

 

 

ORDENAÇÃO DO PE. ORLANDO APARECIDO DE SOUZA PANACCI

 

Caconde possuía as seguintes praças: Dr. Ranieri Mazzilli, Praça Cel. Gustavo Ribeiro, Praça 7 de Setembro, Praça São Miguel, Praça Dom Alberto José Gonçalves, Praça do Colégio Estadual e Praça Cel. Joaquim José. A cidade possuía 1.533 prédios na zona urbana.

 

Faleceu a 14 de abril, em Cianorte, Norte do Paraná o Pe. Pedro Jarussi que fora pároco e iniciara as obras de reforma da Matriz. Optou pela secularização e casamento. (*)

 

Faleceu no dia 20 de março, o Dr. Pascoal Ranieri Mazzilli, natural de Caconde, ex-presidente da República durante várias vezes, foi também Presidente da Câmara Federal. Foi enterrado em São Paulo, com honras de Chefe de Estado. (*)

 

A 13 de fevereiro, início das Comunidades Neocatecumenais em Caconde e na Diocese de São João da Boa Vista. (*)

 

No dia 16 de março é inaugurada e benzida a Escola Catequética “Imaculada Conceição” e nela o Salão Nobre “Bi-Centenário”, a Biblioteca “Padre Antônio Municio”, o Centro Social “Imaculada Conceição”, o Recanto Paroquial com Solene Missa participada no Salão Bi-Centenário.

 

No dia 18, é realizada uma “Noite Artística”- Conferência sobre Caconde “Bicentão” realizada pelo jornalista e historiador Adriano Campanhole –  a Peça teatral, na Escola Catequética “Imaculada Conceição”.

 

A Paróquia comemora no dia 19 de março a festa do Bi-Centenário, e nesse mesmo dia é inaugurada e benzida a Igreja Matriz totalmente reformada e Sagrado o Altar-mor por Dom Tomás Vaquero, Bispo Diocesano de São João da Boa Vista, concelebração de diversos párocos das Paróquias desmembradas de Caconde.

 

A 3 de março, através do Secretário de Estado do Vaticano, Cardeal Giovanni Villot, o Santo Padre Papa Paulo VI, envia felicitações à Paróquia de Caconde pelos seus 200 anos de Fundação Canônica. (*)

 

 

No dia 25, é celebrada às 19 horas na Igreja Matriz a Missa e Sagração dos Santos Óleos, celebrada por Dom Tomás e padres da região pastoral de São João da Boa Vista.

 

 

No dia 17 de agosto é ordenado na Igreja Matriz o filho de Caconde Padre Orlando Aparecido de Souza Panacci, por Dom Tomás Vaquero. (*)

 


 

1976

 

 

 

VISITA PASTORAL DE DOM TOMÁS VAQUERO

 

 

JUBILEU DE PRATA SACERDOTAL DE

PE. MÁXIMO CID

E RECEBIMENTO DO TÍTULO DE CÔNEGO HONORÁRIO

 

 

FALECIMENTO DA MADRE MARIA CALAZANSA JEDELHAUSER, IBVM.

A Banda Santa Cecília, a única que conseguiu sobreviver, estava funcionando com vários músicos antigos e alguns alunos, regida pelo Maestro Delcizo Poli.

 

Em fins desse ano a rede de esgotos, iniciados em 1960, no Largo da Matriz estavam praticamente concluídos.

 

Prédio da delegacia, foto de Campanhole.

A 8 de maio Visita Pastoral de Dom Tomás Vaquero, Bispo Diocesano. (*)

 

A 8 dezembro, na ocasião de seu Jubileu de Prata sacerdotal, recebe o título de Cônego Honorário o Pe. Máximo Cid Vaquero, vigário de Caconde. (*)

 

Falece a 30 de dezembro falece santamente na Santa Casa de Misericórdia, a Madre Maria Calazansa Jedelhauser, superiora do Instituto Beatíssima Virgem Maria é sepultada no Cemitério de Caconde, no túmulo das irmãs do Instituto. Alma de grande bondade e humildade era muito querida pelos paroquianos. Nascida a 9 de novembro na Alemanha, professou os votos em 23 de abril de 1943. Chegou ao Brasil a 8 de dezembro de 1952 e em Caconde a 28 de dezembro de 1952. (*)

 

 

PRÉDIO DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA CACONDE


 

 

 

FALECIMENTO DO PADRE FRANCISCO TORGA CORTE

 

 

 

 

1977

 

 

 

 

 

 

 INSÍGNIAS DE CÔNEGO DE PE. MÁXIMO

 

 

 

 

PE. MÁXIMO DEIXA A PARÓQUIA

 

 

PE. ORLANDO APARECIDO DE SOUZA PANACCI

 

 

INAUGURAÇÃO DO PAVILHÃO DA FESTA DE NOSSA SENHORA APARECIDA E SÃO ROQUE

 

 

 

Estava concluindo nesse ano, a Associação Atlética Caconde o seu majestoso edifício no Largo da Matriz.

 

Existiam em Caconde 5 médicos e 5 cirurgiões dentistas. Existiam na cidade três farmácias e três farmacêuticos.

 

Falece a 23 de fevereiro, em Ribeirão Preto, o Padre Francisco Torga Côrte, antigo vigário de Santa Cruz das Palmeiras, e é sepultado na Capela do Cemitério Municipal em Caconde. Tinha 50 anos de idade e 23 de sacerdote. (*)

 

Começou a circular no dia 31 de março o “Jornal de Caconde”, tendo como diretor responsável o jornalista Adriano Campanhole. Impresso em offset foi o primeiro jornal de Caconde feito inteiramente por profissionais.

 

No dia 8 de julho, na ocasião do 26º aniversário de Ordenação Presbiteral recebe as insígnias de Cônego Comendador “Pro Ecclesia et Pontífice” o Pe. Máximo Cid Vaquero em Celebração Eucarística presidida na Igreja Matriz por Dom Tomás Vaquero. (*)

 

Deixa a Paróquia o Pe. Máximo Cid, em seu lugar assume Pe. Orlando Panacci, sendo vigário cooperador o recém ordenado Pe. José Ivan Rocha Gandolfi. (*)

 

A partir de 7 de agosto é pároco o Pe. Orlando Aparecido de Souza Panacci até 6 de fevereiro de 1982. (*)

 

Em setembro com a tradicional Festa de Nossa Senhora Aparecida e São Roque, foi inaugurado o Pavilhão de Festas em terreno doado à Paróquia. Não sabemos informar a data exata do início da Festa de Nossa Senhora Aparecida, mas é certo que ela já acontecia antes mesmo da Capela existir, era celebrada na Igreja Matriz. (*)

 

ORDENAÇÃO DE PADRE PEDRO CIPOLINI

 

FALECIMENTO DO

SANTO PADRE PAPA PAULO VI

 

1978

 

ELEIÇÃO E FALECIMENTO DO

SANTO PADRE PAPA JOÃO PAULO I

 

CAPELA DO LAR DO MENINO JESUS

 

ELEIÇÃO DO

SANTO PADRE PAPA JOÃO PAULO II

Em 25 de fevereiro é ordenado em Franca o Padre Pedro Cipolini, filho de Caconde. (*)

 

A 6 de agosto falece em Roma, o Santo Padre Papa Paulo VI. (*)

 

 

A 26 de agosto é eleito novo Papa, Cardeal Albino Luciani, com o nome de João Paulo I.  O Santo Padre falece a 28 de setembro do mesmo ano. (*)

 

A 17 de setembro é inaugurada a Capela do Lar do Menino Jesus. (*)

 

A 16 de outubro é eleito novo Papa, o Cardeal Karol Wojtla, com o nome de João Paulo II.  (*)

 

EDIÇÃO DO SEGUNDO LIVRO DO HISTORIADOR ADRIANO CAMPANHOLE

INTITULADO “MEMÓRIA DA CIDADE DE CACONDE”


1979

 

 

 

 

 

 

 

FALECIMENTO DE MONS. VITALLI

 

 

VISITA PASTORAL DE

DOM TOMÁS VAQUERO

Neste ano acontece a edição do segundo livro do historiador Adriano Campanhole, intitulado de “MEMÓRIA DA CIDADE CACONDE: FREGUEZIA ANTIGA DE NOSSA SENHORA DA CONCEYÇÃO DO BOM SUCESSO DO RIO PARDO”.

 

“Quando planejei este livro não tinha em mente apenas ressuscitar o passado, mas o intuito principal de cultuar a memória dos que duramente escreveram a História desta cidade que um dia me concedeu seu maior galardão. E apontá-los como exemplos e protótipos” Adriano Campanhole.

 

 

No dia 22 de setembro falece em São José do Rio Pardo, Monsenhor Adauto Vitalli, antigo pároco da Paróquia. (*)

 

Em 30 de novembro, Visita Pastoral de Dom Tomás Vaquero, bispo diocesano. (*).

 

Estes dados foram extraídos da obra “Memória da Cidade de Caconde”, de Adriano Campanhole, publicado em 1976. Os dados em (*) asteriscos foram extraídos dos Arquivos Paroquiais, pertencente à Paróquia Santuário Nossa Senhora da Conceição.  Procuramos apontar os dados mais importantes da História da Cidade, é possível que por algum descuido nosso tenhamos omitido algum dado, sendo necessário também omitir outros pormenores, para não tornar esta cronologia demasiadamente extensa, fugindo assim, de nosso objetivo principal que é facilitar a compreensão dos fatos que originaram a Paróquia e Cidade de Caconde.

 

“GUARDAR ESTA LEMBRANÇA FOI OBJETIVO EM QUE UNS POUCOS COLABORARAM

 E MUITOS FIZERAM QUESTÃO DE IGNORAR”

 ADRIANO CAMPANHOLE

                                                                 

Organização Sem. Ricardo Ramos.

 

Voltar